Artigos

Pr. Anderson José de Andrade Firmino

Pr. Anderson José de Andrade Firmino:
Dia do Pastor Congregacional

Dia do Pastor Congregacional

Dou graças àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério I Tm 1.12

            Ser pastor é uma honra, uma dádiva, uma graça e um chamado. A Bíblia nos ensina que ninguém toma para si esse ministério (Hb 5.4). A Escritura nos instrui que pastores são presentes de Deus para o rebanho (Jr 3.15). George Warfield declarou que o maior presente de Deus para uma nação, uma cidade e uma igreja é um ministro fiel. Spurgeon também fortificou a importância dessa vocação, “um ministro infiel é o maior agente de Satanás”.

            Mas a honra não está restrita em ser pastor, mas também em exercer o ministério. O pastorear é uma graça diante de Deus e um privilégio diante dos homens. Quem pode descrever o regozijo da pregação? A graça da ministração dos sacramentos (Batismo e Ceia)? O gozo da recepção do aconselhamento Bíblico? Quem poderia narrar o privilégio de ser um instrumento de Deus na condução de um perdido ser achado pelo Salvador? Ou na restauração de vidas? Ou ainda da participação dos milagres de Cristo? Quanta bênção essa vocação.

            Mas a vocação pastoral não é apenas um jardim florido e azul, é também uma caminhada de vales longos e de pedras pontiagudas. É também uma jornada de sacrifício, renúncia e muita abdicação. A vida pastoral é um grande paradoxo. O paradoxo de ser público e solitário ao mesmo tempo; o paradoxo de pastorear e não ser pastoreado; o paradoxo de estar na casa do luto, nas cerimônias fúnebres, nos hospitais e em outras casas de dores, mas, nem sempre nas festas, ceias e confraternizações. Ser pastor é ter o equilíbrio entre não se maravilhar com os montes e não se deprimir com os vales. É ter o estabilização entre a santidade diante Deus e dos homens. É ter o balanceamento entre a exortação e a compreensão; a paciência e a ação; a piedade e a razão.

            Ser pastor é ter a consciência clara de nunca agradará todo seu rebanho. Realidade essa que não é produto de nossa época secularidade e plural. Porque veio João o Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e dizeis: Tem demônio; Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e pecadores (Lucas 7:33,34). Ser pastor é ter como alvo ser fiel a Deus e não popular diante dos homens; é ser abastado da graça e não ser rico do ouro, é está comprometido com a pregação fiel e não com o discurso palatável. O episcopado é uma excelente e laboriosa obra. Se eu não fosse pastor e pudesse escolher o que ser, eu escolheria ser pastor.

Bom Pastor ajudai os pastores bons a apascentar o rebanho de Deus, que está entre nós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho.

           

 

      

[listar artigos desse colunista]

IGREJA CONGREGACIONAL NO BESSA

Rua Cândida Nóbrega Ferreira, S.N. - Bessa - João Pessoa/PB
Fone: (83) 3021-2172