Artigos

Presb. José de Arimatéa Menezes Lucena

Presb. José de Arimatéa Menezes Lucena:
Jeová Sabaoth

Jeová Sabaoth significa Senhor dos Exércitos. Foi nEsse nome que Davi enfrentou Golias, um guerreiro filisteu que tinha 2,75 m de altura, vestia uma armadura que pesava 115 kg, enquanto que a armadura de um soldado normal pesava 27 kg. Golias desafiava o exército de Israel para lutar com ele. O lado que perdesse, o povo seria servo do outro. Por quarenta dias, Golias desafiou Israel. O exercito de Israel ficou atemorizado diante do gigante. Não apareceu voluntário, nem mesmo Saul, Jônatas ou Abner que eram guerreiros. Davi topou o desafio. Para Davi, aquele gigante era um Zé-ninguém que ameaçava o povo de Deus. Deus era por Israel que estava sendo insultado, Deus também estava sendo insultado. Davi sentia a força do Espírito de Deus no dia de sua unção (I Sm 16.13). O rei Saul não viu em Davi qualidades que o habilitasse para enfrentar Golias. Mas, tentou ajudá-lo oferecendo-lhe a sua própria armadura. Mas, o melhor do homem naquele momento não era suficiente. O melhor de Saul só serviu para atrapalhar a Davi. Davi saiu ao encontro do gigante armado com o seu equipamento de pastor: o alforje, uma funda e cinco pedras. Golias encontrava um adversário. Davi aproximava-se apenas com aquela funda. Golias o desprezou. Não acreditou no que estava vendo. Seu adversário era um jovem e não um guerreiro. Mas ele não sabia que estava diante de um dos maiores reis de Israel, um antepassado distante do próprio Messias. Um pagão não conta com o favor de Deus. Davi era divinamente favorecido e isso faz a diferença em tempo de crise. Davi disse ao filisteu: “Tu vens a mim com espada, e com lança e com escudo, porém eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos”, a quem tens afrontado”. Davi colocou uma pedra na funda e atirou contra o filisteu. A pedra encravou em sua testa e o gigante caiu por terra. Golias não estava tratando com um mero homem, mas com alguém sob o poder de Deus. O que parecia impossível foi resolvido num segundo pelo poder divino. Deus usou um instrumento fraco para alcançar grande resultado. Assim também acontece conosco. Do nosso pouco frágil, Deus faz o suficiente para cumprirmos a nossa missão, quando o muito de Deus substitui o nosso pouco.

Jesus Cristo é o nosso General, é o nosso Jeová Sabaoth, o Senhor dos Exércitos que mobiliza todos os anjos e moradores da terra em favor do Seu povo (Hb 1.14; Sl 103 e 44). Ele venceu o inimigo de nossas almas. Por isso, o apóstolo Paulo afirmou: “...Onde está, ó inferno, a tua vitória?” (I Co 15.55). Paulo revela ainda a origem de nossa vitória: “Mas, graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo” (I Co 15.57). O Senhor Jesus nos ajuda nos momentos de dificuldade e nos garante a vitória nos momentos de conflito (Rm 8.35,37). Ele nunca perdeu uma batalha, porque é onipotente. Ele é o Senhor dos Exércitos, o nosso Jeová Sabaoth.

[listar artigos desse colunista]

IGREJA CONGREGACIONAL NO BESSA

Rua Cândida Nóbrega Ferreira, S.N. - Bessa - João Pessoa/PB
Fone: (83) 3021-2172